4.4.08

Incrível como algumas coisas aparecem em momentos oportunos. Não me considero um grande apreciador de poemas, mas vez ou outra tem algum que me chama a atenção. Hoje pela manhã mesmo de deparei com um poema estupidamente apropriado ao dia de hoje para nós. Estava lá no Blog do Noblat e reproduzo aqui. Comento daqui uns dias.

Canto dos Emigrantes
Alberto da Cunha Melo

Com seus pássaros
ou a lembrança de seus pássaros,
com seus filhos
ou a lembrança de seus filhos,
com seu povo
ou a lembrança de seu povo,
todos emigram.

De uma quadra a outra
do tempo,
de uma praia a outra
do Atlântico,
de uma serra a outra
das cordilheiras,
todos emigram.

Para o corpo de Berenice
ou o coração de Wall Street,
para o último templo
ou a primeira dose de tóxico,
para dentro de si
ou para todos, para sempre
todos emigram.

1 comentários:

Dumuro disse...

SECURITY CENTER: See Please Here